• Motoaction

Road Test - Yamaha MT-09


Fotos Idário Café

A Master of Torque MT-09 foi lançada em 2013 com um novo apelo, o conceito “The Dark Side of Japan (ou O Lado Negro do Japão), oferecendo ao público uma naked diferenciada e com o inédito motor com três cilindros de 850 cc, que rapidamente se tornou um sucesso de vendas da marca pelo mundo, graças ao seu grande desempenho e estilo moderno e único. Em 2017, no famoso Salão de Milão (EICMA), a Yamaha apresentou uma versão totalmente renovada que acabou chegando no mercado brasileiro somente no ano passado. O modelo ganhou novo visual, com o conjunto óptico lembrando a MT-10 – modelo que ainda não é comercializado no Brasil –, além de novidades eletrônicas, como quickshifter e controle de tração.


O motor é um tricilíndrico de 847 cm3, com duplo comando de válvulas no cabeçote (DOHC), quatro válvulas por cilindro, do tipo Crossplane 3 (CP3) – o mesmo empregado na Yamaha YZF-M1 da equipe oficial na MotoGP, que reduz a vibração e oferece entrega linear de torque e potência –, injeção eletrônica e bicos injetores com doze orifícios e refrigeração líqudia. O propulsor entrega potência máxima de 115 cv a 10.000 rpm e torque de 8,92 kgfm a 8.500 rpm.



A MT-09 oferece controle de tração (duas opções e pode ser desligado), que controla a entrega de torque do motor para a roda traseira, para não perder a tração nas acelerações bruscas ou em momentos de baixa aderência; e sistema quickshift, com subidas de marcha sem uso da embreagem do tipo deslizante e assistida, que permite reduções de marchas mais bruscas sem risco do travamento da roda traseira e deixa o acionamento da manete (20%) mais "leve".


Seguindo na eletrônica, o sistema D-MODE tem três diferentes formas de respostas do acelerador (standard, A e B), que o piloto escolhe de acordo com o seu estilo de pilotagem ou condição do terreno. No standard, o torque é firme e contínuo em baixa e alta rotações; o modo A oferece respostas mais rápidas do motor; e o último, respostas mais moderadas. A MT-09 também possui o YCC-T (Yamaha Chip Controlled-Throttle), acelerador eletrônico que informa a ECU o quanto de combustível deve ser injetado.


Possui dois faróis, quatro LEDs e dupla luz de presença e nova lanterna com efeito 3D, também em LED; piscas fixados nas aletas de proteção do radiador; para-lama traseiro redesenhado e com novo suporte da placa unilateral fixado diretamente na balança; tomadas de ar maiores, junto ao tanque de combustível e aletas do radiador, que recebem os piscas dianteiros, num posicionamento diferenciado; e assento mais anatômico e com a parte traseira mais longa, para oferecer maior conforto ao passageiro.



O painel de instrumentos é totalmente digital e posicionado mais para a direita, para melhor visualização, apresentando informações como indicador de marcha, conta-giros, nível de combustível, posição do D-Mode (modo de potência), consumo de combustível instantâneo e médio, hodômetro total e parcial, contagem regressiva de quilômetros em “reserva”, temperatura ambiente e do motor e luzes de funcionamento dos novos sistemas (quickshift e controle de tração), entre outros.


O chassi é construído em alumínio leve, compacto e com excelente geometria, permitindo baixo peso total (193 kg) e boa concentração de massas, concentradas na parte de baixo da motocicleta, formando um conjunto que torna a pilotagem mais ágil. O sistema de suspensão teve refinamentos, sendo que o garfo invertido apresenta as funções de compressão e retorno separadas; e a traseira pode ser ajustada em retorno e pré-carga. Já o sistema de freios apresenta ABS, com discos flutuantes na dianteira de 298 mm de diâmetro e pinças radiais de quatro pistões, e disco traseiro de 245 mm.




A MT-09, é oferecida nas cores Matt Black (preto fosco), Racing Blue (azul metálico) e Ice Fluo (cinza foscp) e o preço sugerido é 52.690 reais (sem frete), com garantia de um ano, sem limite de quilometragem.


COMPORTAMENTO - O modelo impressiona. O visual é diferenciado, com conjunto óptico que lembra os “Transformers”, e alguns pode até estranhar, afinal de contas parece estar posicionado muito para baixo, mas é só impressão. Os piscas, que poderiam ser menores, estão fixados nas novas aletas do radiador. Então, naqueles raros momentos em que você levanta o pé para passar em uma poça de água, é preciso cuidado para não tocá-los e desencaixar os piscas. A traseira também ficou mais bonita e curta e o suporte da placa dá um ar moderno, apesar que o cabo da placa ficar um pouco aparente.



Ela ficou mais estreita e compacta, apesar do tanque dar a impressão de ser grande visto de cima. O banco e o novo posicionamento deixam as pernas bem encaixadas no tanque de combustível, e com o guidão mais baixo, o condutor fica um pouco inclinado para a frente. Chegou a ser intimidador nas primeiras voltas, pois com o farol baixo e o painel de instrumentos posicionado para o lado, “não existe” frente, mas logo você se acostuma com essa situação e percebe o motivo disso foi tornar o posicionamento mais esportivo. Apesar de não recomendado, vale alertar que ao vestir uma bermuda naquele dia calor, deve-se ter atenção para não encostar a perna no lateral do motor, que fica bem exposto, e se queimar.


O ruído do motor é diferenciado, e até lembra uma pequena turbina de um jato. Você sente bem sua força e as respostas chegam rápido. Tendo muito torque disponível, é possível conduzir bem em baixas rotações, situação ideal para o trânsito pesado de uma metrópole como a capital paulista.


O acionamento da embreagem é macio, graças à assistência eletrônica, e as mudanças de marcha são precisas e suaves. O quickshift nas subidas de marcha é outro ponto positivo. O controle de tração é bem sensível, mas os pilotos mais experientes podem desligar o controle.



A MT-09 é bem ágil, leve e fácil de conduzir. A pilotagem é emocionante e você coloca esta Yamaha em qualquer lugar. Ela é rápida nas mudanças de direção e fazer curvas com ela é prazeroso e seguro. O sistema de suspensão é firme, aumentando a esportividade e contribuindo nas entradas e saídas de curvas.


Os freios são eficientes e passam muita confiança nas frenagens, mesmo nas mais bruscas. Mas o dianteiro poderia ser um pouco mais suave no acionamento, mas não é bruto e talvez somente pilotos mais experientes vão sentir esse comportamento. De qualquer forma, eles cumprem seu papel e oferecem segurança na hora de parar essa motocicleta compacta e rápida.


Resumindo, a MT-09 apresenta um visual agressivo, mas alguns demoraram para se identificar com o novo conjunto óptico, assim como como o novo suporte da placa. De qualquer forma, pilotar esta motocicleta é empolgante, fácil e muito divertido. E com certeza ela manterá o sucesso obtido pelas versões anteriores, agradando principalmente aqueles que gostam de uma pilotagem mais esportiva.


NOVA VERSÃO - Vale pontuar que o modelo foi renovado na Europa no ano passado (modelo 2021). Ganharam atualizações o visual, farol (único), motor, sistema de escapamento, pinça do freio dianteiro, painel de instrumentos e outros itens. O novo visual não ganhou aprovação maciça, e alguns ainda preferem o modelo comercializado no Brasil. A Yamaha do Brasil não divulgou quando pretende comercializar esta última versão da MT-09.



ESPECIFICAÇÕES

Motor: tricilíndrico, 12V, DOHC, refrigeração líquida

Cilindrada: 847 cc

Alimentação: injeção eletrônica

Transmissão: 6 velocidades

Chassi: tipo diamante

Distância do assento: 820 mm

Suspensão dianteira: invertida, 41 mm de diâmetro, 137 mm de curso, totalmente ajustável

Suspensão traseira: monoamortecedor, 130 mm de curso, ajuste de retorno e pré-carga

Freio dianteiro: disco duplo, 298 mm de diâmetro, ABS

Freio traseiro: disco, 245 mm de diâmetro, ABS

Potência: 115 cv a 10.000 rpm

Torque: 8,92 kgfm a 8.500 rpm

Tanque: 14 L

Peso (total): 193 kg